Já há crédito para comercialização agrícola

Já há crédito para comercialização agrícola

Iniciou esta semana a operacionalização da Linha de Crédito de Comercialização Agrícola (LCCA), lançada em Dezembro último pelo Instituto de Cereais de Moçambique (ICM) e pela Gapi. Os primeiros créditos num montante de cerca de 10.5 milhões de Meticais já foram concedidos. As propostas de financiamento aprovadas são de empresas que operam em zonas rurais de Niassa, Tete e Nampula. O Comité Directivo da LCCA está a priorizar as empresas actuando nas zonas fronteiriças para que a produção nacional de alimentos permaneça em território nacional.

A comercialização de produtos alimentares com destaque para milho e feijão e com impacto em comunidades rurais no distrito de Doa, em Tete, é uma das operações comerciais priorizadas pelo Comité da LCCA.. Este financiamento vai beneficiar mais de 10 mil famílias, residentes em comunidades como Cachere, Mara, Michone, Sabgomba, Manoriza, Missocossa e Thapo no distrito de Doa.

Outro beneficiário é uma empresa do Niassa envolvida na indústria alimentar que impulsiona a cadeia de comercialização de cereais no seio dos pequenos produtores naquela província, ajudando a criar uma rota para o mercado de seus produtos. A empresa possui uma fábrica de processamento de milho, com capacidade para processar duas toneladas por hora recentemente inaugurada pelo Chefe de Estado.

Com o crédito da LCCA, esta empresa acredita poder desenvolver um papel crucial na cadeia de valor de cereais do mercado local, sobretudo nos distritos de Lichinga, Mandimba, Maúa e Muembe, dado que “grande parte do milho processado e/ou transformado em farinha é comprado através de uma rede de comerciantes rurais que  incentivam os produtores familiares a aumentarem a sua produção, visto que os mesmo passam a ter um mercado seguro para comercializar os seus produtos”.

Neste momento, a empresa encontra-se focada na ampliação do seu mercado para assegurar a absorção de grande parte do grão que acaba saindo do país de forma clandestina. Para garantir um melhor armazenamento e conservação dos seus produtos, está a usar os silos da Bolsa de Mercadorias de Moçambique.

Em Nampula, a empresa beneficiada é uma pequena agroindústria que se dedica à compra, processamento Industrial e venda de farinha de milho e seus derivados. Esta empresa propõe-se cumprir com as normas governamentais no âmbito da produção de alimentos enriquecidos com base na farinha de milho e soja.

“Com o financiamento vamos dinamizar a produção, através de duas linhas de processamento, sendo uma para produção de farinha de milho fortificada com capacidade de 20 toneladas por dia e outra para produção de papas enriquecidas com base nas farinhas mistas de milho e soja, com capacidade de 4 toneladas por dia”. – Garante Chissungue Haje António, representante da empresa.

José Farinha, gestor de uma das empresas beneficiárias destas primeiras operações da LCCA, vem desenvolvendo a actividade de comercialização há vários anos, mas, segundo conta, “Não conseguia comprar cereais numa quantidade que me permitisse alavancar rapidamente a minha actividade e beneficiar as comunidades do meu distrito, porque não tinha dinheiro suficiente”. Na sua opinião o surgimento da LCCA vai dimamizar a actividade dos produtores que muitas vezes viam a sua produção apodrecer por falta de escoamento.

Além do financiamento à comercialização previsto na LCCA, o acordo entre o ICM e a Gapi contempla actividades de assistência técnica com vista à criação e capacitação de operadores da comercialização agrícola e do agro-processamento de pequena e média dimensão. Estas actividades beneficiam de sinergias com programas como o ProMer, Agro-Investe, ProSul  entre outros que contam com a participação da Gapi e o apoio do Governo e de parceiros como o FIDA, BAD e Danida.

Deixe uma resposta

Close Menu