Gapi estabelece Escola na Machamba do Camponês

O Consórcio Gapi-SI e Novedades Agrícolas foi contratado para liderar a implementação da Cadeia de Valor de Horticultura nas províncias de Maputo e Gaza (PROSUL). Nesse sentido, durante o mês de Maio, foram estabelecidas 23 Escolas na Machamba do Camponês (EMC’s), nos distritos de Chókwè, Guijá, Chibuto e Manjacaze. Esta concepção resultou em actividades que consistiram no transplante de repolho, montagem de alfobres de cebola e sementeira da cultura de feijão vulgar. Para uma melhor experiência, os produtores seleccionaram como tópicos de aprendizagem questões ligadas ao seu dia-a-dia, tais como a definição de compasso para monocultura e cultivo consociado de feijão vulgar, o compasso de repolho no campo definitivo, a técnica de montagem de alfobre de cebola, o controlo químico das pragas e doenças nas culturas de feijão vulgar, repolho e cebola. As 23 EMC’s beneficiam directamente a 343 produtores (sendo 241 mulheres e 102 homens) e até ao final do projecto espera-se atingir 4800 produtores (sendo 50% mulheres) nos corredores de Maputo e Limpopo.

Esta parceria tem focalizado as suas intervenções de promoção de produção de hortícolas nos regadios alvos do Projecto de Desenvolvimento de Cadeias de Valor nos Corredores de Maputo e Limpopo com uso da metodologia da Escola na Machamba do Camponês (EMC) que é uma metodologia participativa de aprendizado em grupo, onde os produtores a partir de seus próprios conhecimentos e técnicas, aprendem fazendo, ou seja, observam, analisam, trocam experiências e tomam decisões para resolver seus próprios problemas e da comunidade. O grupo da EMC reúne-se regularmente a cada 7 dias (uma vez por semana) durante todo o ciclo de produção de uma cultura para experimentar juntos, com a ajuda de um facilitador, novas opções de aumento de produção e produtividade das hortícolas com foco no mercado. Os membros das EMC’s para além dos conhecimentos adquiridos beneficiam-se de kits de incentivo para fazerem réplicas em seus campos de produção, focalizando a produção orientada ao mercado.

O principal grupo alvo desta componente são os pobres economicamente activos, essencialmente pequenos produtores envolvidos na produção de hortícolas nos perímetros irrigados dos distritos das províncias de Maputo e Gaza.

O PROSUL é uma iniciativa do Governo de Moçambique, é financiado pelo Fundo Internacional para o Desenvolvimento da Agricultura (FIDA) e tem uma duração esperada de 7 anos contados a partir de Janeiro de 2013. O projecto tem como objectivo, o aumento sustentável da renda dos pequenos produtores a partir do incremento dos volumes de produção, produtividade e melhoria da qualidade em 3 cadeias de valor alvo (Horticultura, Mandioca e Carnes Vermelhas).

This Post Has 2 Comments

  1. Avante o desenvolvimento de produção de hortícolas e desenvolvimento dos pequenos produtores, nos regadios do Limpopo, e em Manjacaze em particular!

  2. Muito boa iniciativa e de louvar as acções desenvolvidas pela Gapi e seus parceiros em prol de promoverem o desenvolvimento do sector agrário em Moçambique.

Deixe uma resposta

Close Menu