Da subsistência ao meio milhão de meticais

Da subsistência ao meio milhão de meticais

Quando se pertence a uma família de agricultores, é muito provável que cada novo membro familiar queira seguir o mesmo trilho. Para estas famílias a terra é sustento e representa a vida de todos eles. Foi assim que um rapaz de apenas de 18 anos, decidiu envergar pelo trabalho agrícola e ser mais um, naquela família a exercer aquela que é considerada primeira profissão: agricultor. Esta é a história de Horácio Rage, um homem simples do distrito de Balama, em Cabo Delgado, que tal como o seu avô, pai, tios, e irmãos, decidiu fazer da actividade agrícola, a sua fonte de rendimento.

Cresci durante a guerra colonial e comecei a trabalhar um pouco depois de esta terminar porque na época tudo era difícil, as pessoas não tinham comida suficiente e nós agricultores não tínhamos terra suficiente para produzir, tudo o que tínhamos resumia-se numa pequena machamba onde produzíamos para subsistência. Eramos pobres, o futuro parecia cinzento” – conta Horácio.

Com o fim das guerras, a terra passou a estar mais disponível, contudo outros factores de produção constituíam desafios a vencer para produção rentável, “mas já valia a pena lutar” – explica.

Valeu tanto a pena que quando em 2015, já chefe de família, conheceu a Gapi que implementa, naquela região, o Programa de Promoção de Mercados Rurais (PROMER). Horácio já se tinha transformado num comerciante agrícola de cereais e leguminosas e para o seu suporte beneficiou de um financiamento de aproximadamente 2 milhões de meticais que o permitiu aumentar a sua área de produção para 30 hectares, adquirir 3 moageiras para processar milho, uma carrinha para auxiliar o negócio e ainda registar a sua empresa, a Horácio Agricultor e Comerciante, EI.

Além do financiamento recebi da Gapi um conjunto de formações na área de negócios que me ajudaram a gerir a minha empresa. Contava com 3 trabalhadores e hoje dupliquei. Com o apoio da Gapi ganhei importância e visibilidade no distrito, o que facilitou a minha escolha pelo Governo/FDA (Fundo de Desenvolvimento Agrário) para beneficiar de um tractor com as respectivas alfaias. Sou eternamente grato a Gapi por tudo que faz por mim e por outros comerciantes.” – Prosseguiu Horácio.

Com a maquinaria nova começou a prover serviços de lavoura e provisão de insumos agrícolas a 10 associações e 5 singulares, aumentando dessa forma o volume do seu negócio.

Produzindo mais e comprando os excedentes dos seus parceiros, a Gapi facilitou a ligação de Horácio com grandes intervenientes do mercado, como a Export Marketing e Olam, assegurando sustentabilidade para o seu negócio.

Podemos agora viver de forma modesta, mas segura a partir dos nossos rendimentos que, no ano passado apesar de crítico se aproximou a meio milhão de meticais.” – explica Horácio.

Deixe uma resposta

Close Menu